Em busca de um propósito que encante - Revista Você RH

Para saber por que negócios movidos por um objetivo maior alcançam um desempenho até 10 vezes superior aos que só se preocupam com o lucro dos acionista e ainda atraem os melhores talentos, a reportagem de capa da Você RH deste mês ouviu alguns dos principais gestores de RH do País. Um ponto importante para o sucesso de um propósito está na conexão emocional que ele desperta nas pessoas. Para Elisangela Martins, esse foi seu aprendizado em seu trabalho  como diretora de RH da Comgás. Desde 2012, quando se tornou parte do grupo Cosan, a companhia passa por modificações culturais e de marca. Nessa trânsito, reviu sua imagem para o mercado e estabeleceu a meta de ser mais jovial e comunicativa. A partir disso, o RH ajudou a definir as comportamentos esperados dos empregados os três “I”s: inquietos, interessados e impecáveis. Embora fáceis de entender, carecia explicar o motivo de essas atitudes serem importantes. “Faltava conectar isso a uma visão emocional daquilo que queremos entregar, o porquê de sermos assim”, afirma Elisangela. Isso motivou uma volta na história da Comgás para resgatar sua essência. Até então, a missão da Comgás era genérica: “Ser a melhor empresa de gás”. “Sabemos que as pessoas estão buscando coisas mais palpáveis e que tenham a ver com algo além do produto”, diz a executiva. No fim de 2016, em um trabalho com a diretoria, o RH contratou uma consultoria para ajudar na reestruturação do negócio. Hoje, o propósito da Comgás gira em torno da seguinte ideia: fornecer energia que transforme a vida das pessoas. O propósito, em síntese, precisa se refletir no desenho da empresa, em sua estratégia e nos comportamentos desejáveis do quadro de empregados do CEO ao operário. E aí está o principal papel do RH: conseguir transformar algo intangível e conceitual em práticas do cotidiano, em jogo, nada mais do que a reputação, os relacionamentos e, no fim, o sucesso ou o fracasso.

Confira a matéria completa na edição 56 da revista Você RH