Aproveitamento de gás natural registra recorde em agosto

Notícias

Volume de gás queimado reduziu 31,8% em relação a agosto de 2016. Já produção de petróleo e gás tiveram quedas

O aproveitamento de gás natural no Brasil em agosto alcançou 97% do volume total produzido, superando o recorde registrado em setembro de 2016, quando o mesmo foi de 96,8%, segundo dados divulgados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. A queima de gás totalizou 3,4 milhões de metros cúbicos por dia, uma redução de 19,8% se comparada ao mês anterior e de 31,8% em relação ao mesmo mês em 2016. A principal contribuição foi a redução do gás queimado pela plataforma P-66, ainda em fase de comissionamento, devido ao melhor aproveitamento do gás para consumo interno e o início da injeção de parte do gás produzido.

A produção de petróleo no país durante agosto totalizou 2,576 milhões de barris por dia (bbl/d), uma redução de 1,8% na comparação com o mês anterior e de 1,3% em relação ao mesmo mês em 2016. Já a produção de gás natural totalizou 112 milhões de metros cúbicos por dia (m3/d), uma redução de 2,8% em relação ao mês anterior e um aumento de 2,8% em relação a agosto de 2016.

A produção total de petróleo e gás natural no País foi de aproximadamente 3,280 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boe/d), de acordo com a ANP. A redução em relação a julho se deve, principalmente, às paradas programadas dos FPSOs Cidade de Maricá e Cidade de Itaguaí, ambos instalados no campo de Lula, no pré-sal da Bacia de Santos.

A produção do pré-sal em agosto totalizou aproximadamente 1,573 milhão de barris de óleo equivalente por dia, uma redução de 2,5% em relação ao mês anterior. A produção, oriunda de 84 poços, foi de 1,271 milhão de barris de petróleo por dia e 48 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia. A produção do pré-sal correspondeu a 48% do total produzido no Brasil. Os poços do “pré-sal” são aqueles cuja produção é realizada no horizonte geológico denominado pré-sal, em campos localizados na área definida no inciso IV do caput do artigo 2º da Lei nº 12.351/2010.

O campo de Lula, na Bacia de Santos, foi o maior produtor de petróleo e gás natural. Produziu, em média, 675 mil bbl/d de petróleo e 28,5 milhões de m3/d de gás natural.

Os campos marítimos produziram 95,1% do petróleo e 77,8% do gás natural. A produção ocorreu em 8.183 poços, sendo 743 marítimos e 7.440 terrestres. Os campos operados pela Petrobras produziram 93,7% do petróleo e gás natural. Estreito, na Bacia Potiguar, teve o maior número de poços produtores: 1.087. Marlim Sul, na Bacia de Campos, foi o campo marítimo com maior número de poços produtores: 94.

A instalação Petrobras 58, que opera na área denominada “Parque das Baleias” (áreas de desenvolvimento de Jubarte, Baleia Azul, Baleia Franca e Baleia Anã), por meio de 13 poços a ela interligados, produziu 187,8 mil boe/d e foi a UEP (Unidade Estacionária de Produção) com maior produção.

Publicado no Canal Energia, no dia 03/10/2017.