Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal
Navegar para Cima
Logon

 Aquecimento de água

Print

Benefícios:

  • Banho quente o ano todo.
  • Mais leve que o ar, dissipa-se facilmente.
  • Não ocupa espaço e valoriza o imóvel.
  • Não há perda ou desperdício: você paga somente o que usou.
  • O produto chega através de tubulações especialmente construídas para o GN.
  • Atendimento de emergência 24 horas/dia.


Equipamentos:

​​

Pré Misturador de água

É um sistema utilizado em conjunto com um ou mais aquecedores de passagem, que permite atender a diversos pontos de consumo de água quente (duchas/lavatórios) de forma simultânea. Este sistema mistura previamente a água quente, vinda do(s) aquecedor(es) de passagem, com a água fria. É possível ajustar a temperatura de saída desejada (normalmente entre 35 e 41°C) de forma coletiva.

Com o uso deste tipo de sistema, dispensa-se a existência de uma rede hidráulica de água quente, pois a tubulação de PVC suporta a temperatura da água pré-misturada, já na temperatura de uso. É um sistema muito utilizado em academias e clubes, quando se procede a substituição de chuveiros elétricos por duchas com aquecimento a gás natural, justamente por dispensar grandes modificações hidráulicas e proporcionar um banho mais confortável e econômico.

Alguns Fabricantes: Caltherm (consulte os fabricantes sobre características dos equipamentos, aplicação e outras informações).

Central de água quente

As centrais de água quente são sistemas geradores de água quente do tipo “acumulação” utilizadas em locais onde se deseja que a geração de água quente seja feita num único local, com a distribuição desta água aos pontos de consumo feita, necessariamente, via rede hidráulica de água quente. É utilizada em prédios, hotéis, hospitais, clubes, etc.

Apesar de necessitar de uma tubulação específica de água quente, este tipo de sistema diminui a rede interna de gás, uma vez que o aquecimento da água é feito num único ponto. Dispensa também a necessidade de adequações em diversos ambientes que normalmente devem ser feitas nos locais que recebem aparelhos a gás (no caso de utilização de aquecedores de passagem).

Muitas vezes, além da rede hidráulica de água quente de abastecimento, existe também uma rede de “retorno” que propicia água quente nos pontos de consumo quase que imediatamente após a abertura da torneira, mesmo em horários onde o consumo de água quente na edificação é muito baixo (ex: madrugada). Isto acarreta um consumo energético um pouco maior, mas, em contrapartida, o consumo de água tende a cair, uma vez cessado o desperdício de água, na espera da chegada da água aquecida até o ponto.

Seja qual for o tipo de central de água quente, é imprescindível a existência de isolamento térmico das tubulações de água quente para que se tenha uma eficiência energética maior.

Existem três tipos básicos de centrais de água quente:

• Reservatório com queimador atmosférico acoplado.

Este tipo de sistema é composto por um tanque reservatório, com um queimador atmosférico acoplado abaixo dele. Dentre os três tipos mais comuns de central de água quente, é o de menor rendimento, pois parte do calor produzido se dissipa no ambiente, pelo fato de o queimador ser aberto e utilizar o ar de forma natural na queima.

Em algumas situações, instala-se um ou mais reservatórios de água quente para se aumentar a capacidade de armazenamento. Alguns Fabricantes: Ecal, Tec (consulte os fabricantes sobre características dos equipamentos, aplicação e outras informações).

• Reservatório com queimador mecânico acoplado (ar insuflado).

Este tipo de sistema é composto por um tanque reservatório (vertical ou horizontal), com um queimador mecânico. Este tipo de queimador apresenta maior rendimento do que o atmosférico por contar com um ventilador que “sopra” o ar necessário para a combustão. É um tipo de queimador “fechado”, o que diminui as perdas térmicas do sistema, aumentando o rendimento.

Alguns Fabricantes: Ecal, Tec, Aalborg, Tenge (Consulte os fabricantes sobre características dos equipamentos, aplicação e outras informações). 

• Sistema Conjugado

Este sistema utiliza um reservatório de água quente, porém não há queimador no corpo do reservatório. O aquecimento da água é feito por um ou mais aquecedores de passagem interligados ao reservatório com uma bomba de recirculação. É o tipo de central de maior eficiência, pois trabalha recuperando a temperatura da água do reservatório. Apresenta ainda outras vantagens, tais como: 

  1. Possibilidade de instalar aquecedores e reservatório em locais distintos;
  2. Possibilidade de incremento no poder de recuperação de calor da água, em caso de aumento de demanda, muitas vezes com a simples colocação de mais aquecedores de passagem;
  3. Maior flexibilidade de projeto de forma que o sistema a ser instalado possa ser o mais adequado ao tipo de uso;
  4. Facilidade na manutenção.

Alguns Fabricantes: Ecal, Caltherm, Aquatherm (consulte os fabricantes sobre características dos equipamentos, aplicação e outras informações).

Aquecedor de piscina e SPA

Existem diversos tipos de sistemas de aquecimento de piscina a gás. O sistema deve cumprir alguns requisitos básicos:

  • Tolerância do equipamento à água tratada (principalmente cloro) da piscina, sobretudo quando aquecida;
  • Ser instalado em local apropriado, seguindo integralmente as normas pertinentes quanto à condição de exaustão e de ventilação mínima;
  • Possibilidade de instalação do sistema quanto à disponibilidade de espaço físico;
  • Para piscinas já em operação, possibilidade de interligação do sistema na tubulação já existente da piscina (tubulação de retorno, após o filtro)

Para spas, pode-se utilizar os mesmos tipos de sistemas utilizados em piscinas, desde que o sistema de filtração destes seja igual ao utilizado em piscinas. É importante lembrar que a temperatura de operação do spa é a principal diferença, pois este opera normalmente em temperatura em torno de 35 a 38°C.

Os tipos mais utilizados de sistemas de aquecimento de piscina a gás natural são:

Sistema de aquecimento com aquecedor(es) de passagem com troca indireta (por meio de trocador de calor de placas brasadas em inox ou titânio):

Este sistema utiliza basicamente um ou mais aquecedores de passagem, conectados por meio de tubulação (de cobre ou material que suporte a temperatura requerida) a um trocador de calor, formando um circuito fechado cuja movimentação é feita por uma moto-bomba de baixa potência. Do outro lado do trocador de calor é feita a interligação do sistema de aquecimento com o sistema de filtração da piscina através de um by-pass parcial (uma parte da água é aquecida e outra parte passa direto sem aquecimento), interligado à tubulação de retorno. Desta forma, a água da piscina nunca entra em contato com o(s) aquecedor(es).

Este tipo de instalação pode ser feita tranqüilamente na tubulação de PVC de filtração da piscina, já que o circuito em alta temperatura é apenas aquele entre o aquecedor e o trocador de calor. O trecho entre trocador e tubulação de retorno recebe água a uma temperatura em torno de 36°C.

O controle de temperatura da piscina é feito através de um termostato ligado a um painel de controle digital. Este termostato é instalado na tubulação de sucção da piscina e “avisa” a bomba de recirculação do sistema o momento em que deve ser ligada ou desligada, de acordo com a temperatura programada no painel.

Sistema de aquecimento com aquecedor(es) de passagem – troca direta, com serpentina banhada em níquel:

Sistema de aquecimento similar ao aquecedor de passagem com troca indireta, porém sem o trocador de calor. Neste caso, a serpentina do(s) aquecedor(es) recebe(m) tratamento químico com níquel, o que proporciona maior resistência à água clorada. Vale lembrar que a vida útil deste sistema é inferior, quando comparado à troca indireta.

Este tipo de sistema não pode ser utilizado em piscinas cujo tratamento da água seja feito por salinização.

Sistema de aquecimento com aquecedores de passagem de grande porte com troca indireta através de trocador de calor (interno ou externo)

Utilizado normalmente em piscinas de grande porte (ex: olímpica). Necessitam de um espaço considerável para instalação, mas muitas vezes é a opção mais viável para o aquecimento, devido a potência que este tipo de sistema consegue atingir.

Sistema de aquecimento de piscina com aquecedor específico para este fim

São equipamentos projetados exclusivamente para esta aplicação. Normalmente são compactos e seus componentes internos são feitos para suportar as condições da água de piscina.

Este sistema também pode ser conectado na tubulação de retorno da piscina, porém neste caso faz-se um by-pass pleno, ou seja, todo o volume de água que passa pelo filtro passa também pelo aquecedor. Como a vazão de água no aquecedor é maior, o acréscimo de temperatura a cada passagem é menor quando comparado ao do primeiro sistema. Porém, em termos de velocidade de aquecimento, isto não influencia em nada, já que a massa de água aquecida em cada passagem é maior neste caso.

O consumo de gás natural para aquecimento de piscina é diretamente influenciado por diversos fatores, dentre eles os mais significativos são:

  • Temperatura ambiente;.
  • Temperatura desejada da piscina.
  • Tipo de ambiente (aberto / fechado).
  • Condições de vento.
  • Condições de umidade relativa do ar ambiente.
  • Utilização de capa térmica.
  • Freqüência de utilização da piscina.
  • Intensidade de utilização da piscina.
  • Freqüência de chuvas (piscinas abertas).
  • Modo de operação do sistema de aquecimento.
  • Existência (funcionamento) de cascata.
  • Incidência solar direta.

Alguns Fabricantes: Aquatherm, Caltherm, Ecal, Riotherm (Pentair), TEC Calor, AZ Aquacal (Horner), Equibrás (consulte os fabricantes sobre características dos equipamentos, aplicação e outras informações).

Aquecedor de água de passagem

O aquecedor de água de passagem é um aparelho destinado ao aquecimento de água para diversas aplicações. Entre elas, a principal é o banho. Este tipo de aparelho realiza o aquecimento da água de forma contínua, sem a existência de um reservatório de água quente. Uma vez abertos os registros misturadores, o aquecedor é acionado automaticamente, produzindo então a água quente e enviando-a ao ponto de consumo.

Existem quatro tipos de aquecedores de passagem:

  • Circuito aberto – Exaustão natural
  • Circuito aberto – Exaustão forçada
  • Circuito fechado – Exaustão natural
  • Circuito fechado – Exaustão forçada

A escolha do tipo mais adequado depende do ambiente onde o equipamento será instalado e das normas técnicas aplicáveis.

Consulte o fabricante ou a orientação técnica da Comgás para mais informações (ligação gratuita: 08000 110 197).

Circuito aberto – Exaustão natural

São aquecedores cuja exaustão dos gases de combustão é feita por chaminé apenas por convecção (os gases da queima, por estarem aquecidos, ficam mais leves que o ar e tendem a subir). Este tipo de aquecedor utiliza oxigênio do ambiente onde está instalado para realizar a queima.

Alguns fabricantes: Lorenzetti, Rinnai, Harman, Bosch, Orbis, Komeco, Cumulus, Equibrás

Consulte os fabricantes sobre características dos equipamentos, aplicação e outras informações.

Circuito aberto – Exaustão forçada

São aquecedores cuja exaustão dos gases de combustão é feita por chaminé com o auxílio de uma ventoinha interna ao aparelho, de modo a expulsar estes gases. Utiliza o oxigênio do ambiente onde está instalado para realizar a queima. É um equipamento de rendimento melhor e de maior segurança quando comparado com o aquecedor de circuito aberto e exaustão natural

Consulte os fabricantes sobre características dos equipamentos, aplicação e outras informações.

Circuito fechado – Exaustão natural

São aquecedores cuja exaustão dos gases de combustão é feita por chaminé apenas por convecção (os gases da queima, por estarem aquecidos, ficam mais leves que o ar e tendem a subir). Este tipo de aquecedor utiliza oxigênio de fora do ambiente onde está instalado para realizar a queima. Possui dois dutos: um de entrada de ar e outro de exaustão. É também conhecido como aquecedor hermético, ou de fluxo balanceado, pois não retira ar do ambiente, portanto pode ser instalado em praticamente qualquer ambiente interno que tenha uma parede para o lado externo, sem necessidade de ventilação permanente.

Alguns fabricantes: Orbis

Consulte os fabricantes sobre características dos equipamentos, aplicação e outras informações.

Circuito fechado – Exaustão forçada

São aquecedores cuja exaustão dos gases de combustão é feita por chaminé com o auxílio de ventoinha interna ao aquecedor. Este tipo de aquecedor utiliza oxigênio de fora do ambiente onde está instalado para realizar a queima. Possui dois dutos: um de entrada de ar e outro de exaustão. É também conhecido como aquecedor hermético, ou de fluxo balanceado, pois não retira ar do ambiente, portanto pode ser instalado em praticamente qualquer ambiente interno que tenha uma parede para o lado externo, sem necessidade de ventilação permanente.

Alguns fabricantes: Rinnai, Harman, Saturno

Consulte os fabricantes sobre características dos equipamentos, aplicação e outras informações.

Caldeira Mural

É um tipo de equipamento que engloba dois circuitos distintos num só corpo compacto (pouco maior que um aquecedor de água de passagem) e que podem trabalhar de forma simultânea. Um dos circuitos é aberto, ou seja, gera água quente para consumo em duchas e lavatórios. O outro circuito é fechado, ou seja, a água é aquecida, transfere o calor para uma determinada aplicação (principalmente calefação e pisos radiantes), retorna ao aquecedor com temperatura reduzida onde recupera o calor, recomeçando um novo ciclo. Neste circuito fechado só é necessária a entrada de água para reposição daquela quantidade perdida por evaporação.

Alguns fabricantes: Rinnai, Beretta, Orbis (consulte os fabricantes sobre características dos equipamentos, aplicação e outas informações).

2017 | Comgás | Todos os direitos reservados